Eduardo Oliveira é #Resiliente

Eduardo tem 27 anos e é #Resiliente formado na Turma 02. Começou a trabalhar com informática ainda cedo e sempre foi fascinado por tudo o que envolvia tecnologia como um todo, mas enfrentou muitas inseguranças ao longo do início de sua jornada na área. A princípio, seus primeiros passos em tecnologia foram como técnico de informática, atuando em algumas empresas na infraestrutura de rede e suporte.

Após alguns anos na mesma função, percebeu que precisava de algo a mais. Buscando uma mudança significativa de sua vida pessoal e maior aprimoramento em sua carreira, decidiu dedicar um ano de sua vida para estudar integralmente, certo de que estava pronto para novos desafios. E foi assim, em meio às incertezas da pandemia e um cargo que não mais atendia suas expectativas de vida, que Edu conheceu a Resilia.

Quando foi a primeira vez que você ouviu falar do curso de Desenvolvimento Web da Resilia?
Eu sempre procurei alguma coisa a mais, não estava muito satisfeito em fazer a mesma coisa por muito tempo, sem sentir que eu tinha ali alguma inovação. Então eu já estava procurando alguns cursos que pudessem me levar para a área de desenvolvimento, até porque na época eu tinha alguns amigos que trabalham como desenvolvedores e ouvia bastante sobre a profissão... Mas eu sempre tive um problema de conseguir pagar pelo valor de algum curso, porque me via preso na decisão de ou pagar a mensalidade ou pagar minha contas.

Ao mesmo tempo em que saí do meu antigo emprego, com o início da pandemia, eu conheci a Resilia. Foi ali que uma coisa que bateu exatamente com a outra, já que eu podia pagar depois e as aulas eram totalmente online, o que me facilitou bastante por já estar em casa e poder me dedicar totalmente ao curso. Foi aí que eu apostei todas as minhas fichas na Resilia, porque era aquilo que eu precisava para ter a minha desejada mudança profissional e pessoal.

E para você, como foi esse período de aprendizado em meio a tudo o que estava acontecendo na sua vida?
Eu posso dizer que foram 6 meses MUITO intensos! Eu consegui aprender muito, tanto na parte tech quanto as habilidades softs. Os facilitadores e toda a equipe da Resilia foram sensacionais e acho que, muitas vezes, acreditavam mais em mim do que eu mesmo.

Isso foi fundamental para alcançar o meu sucesso, mas sei que não foi nada fácil. Para mim, foi uma luta diária para desenvolver a questão da organização de tarefas, gestão de tempo, aprender a aprender, ter um tempo dedicado só para estudar e focar só naquilo, já que era algo que tinha se perdido um pouco com o passar dos anos.

Foi bem intenso e bem interessante todo o aprendizado e no final valeu muito à pena!

Mas antes de chegar ao “fim” (até porque sua trajetória em T.I só está começando, não é mesmo?), como você se sentiu em relação à intensidade do curso em meio às suas responsabilidades pessoais?
Durante o próprio curso eu pensei em desistir, mais de uma vez… Eu sabia que precisava me decidir entre continuar na Resilia e esperar por algum resultado futuro ou parar ali naquele momento e começar a trabalhar em alguma coisa imediatamente, porque eu precisava sustentar a minha família.

Foi uma escolha que eu precisei fazer mas que, graças ao Bruno Cani e à toda equipe da Resilia, eu resolvi por continuar apostando as minhas fichas na minha formação. E deu super certo, né? Agora eu consegui e tô numa empresa como queria, e sei que toda a parte de networking e as áreas de empregabilidade e comunidade da Resilia foram muito importantes para essa contração.

Você pode contar um pouco mais como foi esse momento de participar novamente de processos seletivos, entrevistas e nova contração após o curso?
Eu até posso dizer que já fazia um pouco de networking, por causa a minha experiência profissional anterior, mas nada como aprender a fazer de fato. Hoje em dia eu consigo chegar muito mais fácil em uma pessoa que eu não conheço, em um diretor de uma empresa, por exemplo, que era uma coisa que na minha cabeça da época eu nem tinha essa visão. Hoje em dia, pra mim, essa questão do networking começou a ser até natural e foi justamente um pouco dessa característica que aprendi que abriu os caminhos.

Eu passei por algumas entrevistas e recebi alguns “nãos”, o que não foi fácil. Cheguei até a pensar que talvez não fosse pra mim, não era possível tanta dedicação e receber um “não” naquela altura. Mas, como a gente aprende no curso, é preciso ter resiliência — afinal, o curso se chama Resilia — e eu carrego isso dentro de mim também.

Foi aí que eu comecei a ter uma relação diferente com o “não” que eu recebia. Ao invés de receber uma negativa e ficar desanimado, eu comecei a perguntar o porquê e tentar entender quais eram os pontos que eu precisava melhorar para conseguir minha vaga. Aí eu fui pegando um pouco da experiência que ia ganhando em processos seletivos, principalmente aqueles que chegava “quase lá”.

E finalmente eu recebi o meu SIM! Foi muito gratificante ver que aquele esforço todo que eu tinha tido, que toda a equipe Resilia, minha família, amigos e todo mundo que acreditava em mim estava certo. Eu sei que valeu à pena demais!

E você acha que ter continuado no curso fez diferença na hora da sua contração na empresa atual?
Sim! Eu começo segunda feira, 19/07, a trabalhar como Desenvolvedor na SoftTek e estou muito feliz pelo tamanho gigantesco da companhia, além de por poder dizer que sou oficialmente “Soft Techer”.

Eu tive contato com muitas empresas graças à Resilia, mas essa é sensacional, realmente tinha ficado com muitas esperanças de somar junto ao time. Eles me abraçaram de um jeito muito especial e estou bem feliz e ansioso para começar a conhecer as pessoas. Eu só tenho muito o que agradecer a Resilia por isso!

Nessa retrospectiva entre as inseguranças do Eduardo do passado e o atual Eduardo, você pode nos contar um pouco de como a sua vida mudou no último ano?
Antes, eu era apenas um técnico querendo fazer um movimento de carreira bem “agressivo” que, por mais que estivesse dentro da própria tecnologia, era uma coisa que pra mim, naquele momento, era impossível. Eu estava recém desempregado e precisava me atualizar, porque eu realmente não tinha mais como crescer na minha profissão e sei que o mercado demanda atualizações constantes.

Com esse tempo na Resilia eu vivi uma mudança tremenda para mim porque saber que eu era sim capaz de aprender alguma coisa e saber que era capaz de fazer algo funcionar foi muito importante para minha vida pessoal. E, profissionalmente, com os aprendizados que eu tive nesses 6 meses, eu sei que desenvolvi coisas que vão mudar a minha carreira, como trabalho em grupo e resiliência.

Eu sei que cheguei no meu cansaço mental e físico com a Resilia, mas eu vi que aquilo era apenas um momento e que eu iria aprender muito com isso. Por isso, o maior aprendizado que eu tirei foi saber que eu posso ter o maior problema enorme na minha frente, mas eu sei que eu vou superar, vou conseguir resolver. E mais, depois eu olhar pra trás sabendo que foi apenas uma “bobagem” e que estou pronto para olhar para frente e resolver o que mais tiver por vir. Isso é resiliência!

Agora, eu consegui a minha tão sonhada vaga como desenvolver e estou muito grato! Eu sei que preciso dar meu máximo, mais do que eu já estava dando, mas estou muito feliz por tudo o que está envolvido. Hoje estou em um momento muito especial pois começo a trabalhar na área em que sonhava, em uma empresa que me recebeu de portas abertas! Feliz por estar nesse mercado de trabalho e iniciando minha carreira como desenvolvedor, então é uma conquista pessoal muito grande pra mim e eu pretendo continuar por muito tempo e continuar me desenvolvendo muito mais!

Na Resilia, formamos os melhores profissionais em tecnologia. Para isso, exigimos apenas uma coisa: garra.

Na Resilia, formamos os melhores profissionais em tecnologia. Para isso, exigimos apenas uma coisa: garra.